Vendas no varejo de construção crescem 4% em abril

Postado em Construção, Outro

Comparação é sobre desempenho apresentado em abril de 2017. Na relação abril de 2018 sobre março, setor teve queda de 4%

O varejo de material de construção fechou o mês de abril com desempenho 4% superior ao mesmo período do ano passado. Na comparação sobre março de 2018, no entanto, o setor teve retração de 4%.

Os dados são da Pesquisa Tracking mensal da Anamaco, que entrevistou 530 lojistas entre os dias 24 a 27 de abril.

No acumulado de janeiro a abril, o setor apresenta alta de 4% – número superior ao apresentado no mesmo período de 2017. “Os dados mostram que as empresas ainda estão se recuperando quando o assunto é faturamento. Isso porque está ocorrendo um crescimento nominal. Para ter uma melhor avaliação, é importante a loja verificar como está a inflação dos produtos que comercializa”, explica Cláudio Conz, presidente da Anamaco. “Reformas e expansão de imóveis dependem de confiança e espaço para investimentos de médio e longo prazos cujas condições de juros e financiamentos para a compra da casa própria começam a ser oferecidos próximo a menos de 10% ao ano”, completa.

Segundo o estudo da Anamaco, todas as regiões do País apresentaram desempenho negativo na comparação com março. No Nordeste, as vendas caíram 16%, no Norte, 11%, no Sudeste 10%. Já o Centro-Oeste teve queda de 9% no período, e o Sul, de 2%. Entre as categorias avaliadas, tintas e
telhas de fibrocimento retraíram (-7 % e -5 %, respectivamente). Já revestimentos cerâmicos apresentaram resultados muito próximos de março.

Os lojistas, porém, acreditam que irão recuperar parte das vendas já em maio. Cerca de 62% dos entrevistados esperam que as vendas cresçam, pelo menos 10% nos próximos 30 dias. Já o Bustracking, que permite incluir perguntas caronas na pesquisa, indicou que 42% das lojas pretendem fazer investimentos nos próximos 12 meses. Cerca de 18% das entrevistadas têm intenção de contratar funcionários em maio.

O estudo indicou ainda que diminuiu ligeiramente o pessimismo com relação às ações do Governo nos próximos 2 meses (de 30% para 27%).

Realizada pelo Instituto de Pesquisas da Anamaco, a Pesquisa Tracking Anamaco tem o apoio da Anfacer, Abrafati e Instituto Crisotila Brasil.