Aspacer realiza palestra em Audiência Pública promovida pela Câmara dos Deputados para discutir novo Marco Regulatório da Mineração

Postado em Marco Regulatório, Mineração

Aspacer teve participação ativa na Audiência Pública

Foto (2)2013-08-23-14-24-47A Assembleia Legislativa sediou, nesta quinta-feira, 22/8, reunião da Comissão Especial da Câmara dos Deputados encarregada de dar parecer ao Projeto de Lei 37/2011, de autoria do deputado federal Weliton Prado (PT/MG), que trata do regime de aproveitamento das substâncias minerais. Porém, esta matéria tem apensado o PL 5.807/2013, do Executivo, que dispõe sobre a atividade de mineração, cria o Conselho Nacional de Política Mineral e a Agência Nacional de Mineração (ANM), protocolado em junho e que tramita em regime de urgência. Luís Fernando Quilici, diretor superintendente da Aspacer e do Sincer, foi um dos palestrantes da Audiência Pública.

A comissão da Câmara de Deputados é composta pelos deputados Gabriel Guimarães (PT/MG), presidente, e Leonardo Quintão (PMDB/MG), relator, e mais 26 membros, dos quais estavam presentes os deputados federais Duarte Nogueira (PSDB) e Arnaldo Jardim (PPS), ambos de São Paulo.

A reunião foi aberta pelo deputado João Caramez (PSDB), que é coordenador, na Assembleia Legislativa, da Frente Parlamentar de Apoio à Mineração. Em sua fala, lembrou que no Estado de São Paulo, a mineração não é de produtos metálicos, mas é forte em areia, brita, calcário, essenciais para a construção, além de produzir 50% da água mineral no Brasil, além de argila para a indústria cerâmica.

O presidente da Assembleia, Samuel Moreira (PSDB), lembrou a responsabilidade social desta cadeia produtiva. A mineração é uma questão estratégica tanto social como economicamente para o país, disse. É necessária uma regulamentação, mas toda a sociedade deve ser ouvida e, para isso, Moreira somou-se ao pleito dos presentes pela retirada da urgência ao PL 5.807/2013.

O setor fala

“Queremos uma boa regulamentação. Temos de reduzir custos nos produtos feitos no Estado, pois impactam diretamente a construção”, disse o secretário estadual de Minas e Energia, José Aníbal. Ele citou a realização pela secretaria, no dia 15/8, do workshop Os Rumos do Novo Marco Regulatório da Mineração, onde foi tirada a Carta de São Paulo.

Arnaldo Jardim, autor do requerimento para a realização da reunião em São Paulo, o terceiro estado a receber a Comissão Especial, falou da necessidade de se estabelecer, após ampla discussão, um marco estável, sustentável e racional para a mineração nacional. Duarte Nogueira ressaltou o grande potencial da mineração nacional, mas lamentou a pouca pesquisa na área.

Carlos Nogueira, representando o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, discorreu sobre propostas e desafios contidos no Projeto de Lei 5.807/2013. Superintendente do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Ricardo de Oliveira Moraes, falou das dificuldades estruturais do órgão.

A importância da mineração paulista, principalmente no crescente mercado de construção civil, e as preocupações com as propostas da Lei 5.807/2013 foram expressas por Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio, presidente do Sindicato das Indústrias de Extração de Areia do Estado de São Paulo (Sindiareia); por Fernando Valverde, presidente executivo da Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para a Construção Civil (Anepac) e também do Sindicato da Indústria da Extração de Pedreiras no Estado (Sindipedras), e por Luís Fernando Quilici, da Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento (Aspacer).

Em sua palestra como representante do setor cerâmico paulista, Quilici defendeu a colocação expressa do termo “argila utilizada na fabricação dos revestimentos cerâmicos”, dentre os itens minerais contemplados como objeto de autorização para a obtenção  das lavras, regime esse menos burocrático na tramitação dos processos minerais em relação aos demais previstos na nova legislação.

Além disso o representante da Aspacer apresentou proposta que amplia para mais de 10 anos o período mínimo de vigência dos termos de adesão que conterão as regras aplicáveis ao aproveitamento mineral, obrigações e direitos de titulares de mineração sob o regime de autorização, além de defender uma estruturação eficiente e descentralizada da futura Agência Nacional de Mineração (ANM), que será criada em substituição ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), garantindo dessa forma a possibilidade da criação de um escritório da futura agência reguladora em Santa Gertrudes.

Segundo fontes ligadas ao Palácio do Planalto, o governo federal pretende ver aprovado o novo marco regulatório da mineração na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, até o próximo mês de outubro.